24 de nov de 2014

Resenha: Daniel - Minha Estrada


Título: Daniel, minha estrada
Autor: José Daniel Camilo, depoimento dado a Tom Cardoso.
Editora: Benvirá (Saraiva)
Ano: 2014
Pág: 208
ISBN: 978-85-8240-078-4

SINOPSE:
Com trinta anos de carreira, mais de 13 milhões de discos vendido e tendo vivido muitos altos e baixos, Daniel achou que era hora de contar toda a sua história. Desde a infância em Brotas, passando pela perda de seu grande parceiro até o auge de sua carreira solo, Minha Estrada, conta, nos mínimos detalhes, por que Daniel é hoje o príncipe da música brasileira.

"Através do violão abraço todos os que fizeram parte da minha vida"



Sou fã do cantor Daniel já a alguns anos. Gosto de suas músicas e o admiro como pessoa pública, pela humildade e simplicidade. Sempre tive a impressão de que ele é uma daquelas pessoas que não deixaram o sucesso "subir à cabeça". Essa biografia reafirmou a ideia que tenho dele, apesar de conhecer agora também seu lado "não-príncipe". 
Isso mesmo, Daniel conta nesse livro toda a sua trajetória, falando de todos os assuntos que o cercam: a infância em Brotas, a criação um tanto rigorosa, o amor pelo seu irmão Gilmar, a perda do seu grande parceiro João Paulo, suas angústias, as fofocas sobre sua sexualidade, seus namoros, seus casos e por fim, o encontro do amor e a formação da família.
O livro foi escrito com depoimentos do próprio Daniel, alguns familiares e amigos ao jornalista Tom Cardoso e é todo ilustrado com imagens das diversas fases da vida do cantor. 
Daniel reconhece nesse livro as pessoas importantes em sua trajetória, os amigos que ajudaram a fazer dele a pessoa que é hoje.

A passagem mais conhecida do público é morte do cantor João Paulo, que levou Daniel a pensar em abandonar a música para sempre.

"Mas essa alegria toda não durou muito - tempos depois,eu perdi o meu parceiro e já não conseguia mais sequer me imaginar subindo num palco".

Mas tem outras histórias, menos conhecidas do público, como a amizade com a loiras: 
"Falei da Hebe, da Xuxa e da Ana, três amigas loiras e muito queridas. Falta falar da quarta loira,(...). Estou falando da Eliana.(....) E menos gente ainda sabe que eu era louco pela Eliana, tinha uma quedinha por ela. Na verdade, uma quedona".

Daniel também abriu seu coração e contou sobre a antiga namorada Luciana, com quem ficou por 12 anos (na maioria do tempo, negando em público estar comprometido) e início do relacionamento com a dançarina Aline (a quem declara ser o amor de sua vida) enquanto estava com Luciana. Conta a sua batalha para conquista-la até a chegada de suas duas filhas. 
Com serenidade e peito aperto, Daniel fala também da fofoca de ele ser gay. Conta como isso já o incomodou e até como já o ajudou.
Com o mesmo desprendimento, relata algumas passagens de encontros amorosos em uma fase (após a morte do João Paulo) em que ele se sentia perdido e sem rumo. A fase não-príncipe de Daniel.

Com Minha Estrada, pude conhecer mais a fundo a carreira dele, com todas as dificuldades e glórias. Além do trabalho social que ele realiza em Brotas e suas conquistas profissionais.

Mas uma das coisas que mais gostei de conhecer, foi a sua inspiração e o motivo que o fez começar a cantar ainda menino, seu irmão Gilmar, que sofre de paralisia cerebral por falta de oxigenação no parto:

"Tinha cinco ou seis anos. Minha grande alegria era cantar para o Gilmar. Vê-lo feliz, alegre, mais calmo". 

Com certeza, ler Minha Estrada só me fez admirá-lo mais. Uma pessoa humilde sim, que teve seus momentos de incertezas, nem sempre tomou as decisões certas, assim como todos nós. Um cantor que pelo histórico de sucesso, merece nosso reconhecimento por ainda ter os pés no chão, valorizar sua família e não esquecer de onde veio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário