23 de jun de 2014

Resenha: OS ASSASSINOS DO CARTÃO-POSTAL

Título: Os Assassinos do Cartão-Postal
Autor: James Patterson e Liza Marklund
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Pág.: 304
ISBN: 978-85-8041-271-0


SINOPSE:
Emily e Clive Spencer são felizes e recém-casados, curtindo a lua de mel em Paris, onde fizram dois novos amigos: Sylvia e Mac Rudolph. Eles são divertidos, sexy e muito interessantes. Tanto que um convite para o quarto deles parece uma promessa inquestionável de uma noite louca e perfeita.
Porém Emily e Clive estão prestes a ser assassinados.
Enquanto isso, em Berlim, Jacob Kanon, um detetive da divisão de homicídios do Departamento de Polícia de Nova York, bebe vinho em seu quarto de hotel, analisando minuciosamente alguns cartões-postais. Embora pareçam inocentes, eles contêm mensagens enviadas por assassinos em série que andam atacando em toda a Europa, degolando jovens casais. Angustiado, Jacob persegue os criminosos de maneira obsessiva, dedicando cada minuto de sua vida à prisão dos monstros que mataram sua filha.
A quilômetros dali, em Estocolmo, a jornalista Dessie Larsson sofre em mais um dia de trabalho. Avessa à fama e ao sucesso, quer apenas levar sua vida em paz, escrever boas histórias, se recuperar do fim de um relacionamento e finalizar sua tese de doutorado.
Mas ela acaba de receber um cartão-postal...

Eu ainda não tinha lido nada de Patterson, mas este livro me chamou a atenção quando foi lançado... e não decepcionou!
É um romance policial que foge do tradicional mistério "quem é o assassino?". Desde o início já sabemos quem são os autores dos crimes que estão assombrando a Europa. O suspense fica por conta de sabermos como serão capturados, quais suas motivações e o que acontecerá com eles. 
A trama se passa na Europa, onde jovens casais turistas são encontrados mortos, com a garganta cortada em quartos de hotéis. A polícia das cidades ondem ocorreram o crime não tiveram sucesso nas investigações. Aparentemente, as vítimas são escolhidas ao acaso, sem qualquer relação afetiva entre elas e os assassinos. Um detalhe chama a atenção dos investigadores: antes de cada crime ser descoberto, um jornalista local recebeu um cartão-postal de um ponto turístico ou rua da cidade com uma simples frase: 

"Ser ou não ser
Em (nome da cidade)
Eis a questão
Entraremos em contato"

Não demora para que os criminosos sejam apelidados de Assassinos do Cartão-Postal. Eles são sedutores, atraentes e envolvem as vítimas de uma maneira tão natural que você com certeza vai pensar duas vezes antes de conversar com estranhos...kkk
Em Estocolmo, quem recebe o cartão é a jornalista Dessie Larsson, que de repente se vê envolvida no caso, mais do que seu jeito discreto de ser gostaria. Ao receber o cartão-postal, Dessie atrai a atenção do policial americano Jacob Kanon. Um  homem que age por obsessão, desprovido de amor-próprio desde que a filha foi encontrada morta em um hotel de Roma ao lado do marido. Para Larsson ninguém dá a devida atenção ao caso e ele não descansará até que os assassinos de sua filha sejam presos. 

"-Você tem a aparência e o cheiro de um depósito de lixo. Além disso, não tem nenhuma autoridade sobre a polícia sueca. Você está só perseguindo esses assassino. Desculpe, mas isso parece um pouco... obsessivo.
Ele ajeitou o cabelo para trás e fechou os olhos.
Obsessivo? Ele esta obsessivo? Claro que estava.
Jacob visualizou a Polaroid, as mãos do casal, os dedos lindos que quase se tocavam. O sangue que tinha escorrido pelos seus braços e se aglomerado ao redor das unhas.
- Eu te amo, pai! Vejo você no Ano-Novo!
Ele abriu os olhos e a encarou.
- Eles mataram minha filha em Roma - explicou - Cortaram a garganta de Kimmy e Steven em um quarto de hotel em Trastevere. Então, sim, estou obsessivo. E eu vou persegui-los até o inferno congelar."

A história é dividida em 140 curtos capítulos, deixando a leitura dinâmica e eu gostei muito do estilo de narrativa deste autor. Narrada na terceira pessoa, a história nos leva do universo da polícia para o universo dos assassinos, além de apresentar dramas paralelos da vida pessoal de alguns envolvidos e referências a algumas obras de arte.
É o tipo de livro que você "devora" rapidamente, pois se torna impossível abandoná-lo na sequência de acontecimentos e revelações.
O final pode até ser previsível, mas o desenrolar da trama é tão envolvente que você não perde o ritmo da leitura em nenhum momento.
É um estilo de livro que eu gosto e agora fiquei curiosa para ler outros títulos do autor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário