30 de jun de 2014

Resenha: O Pessegueiro

Título: O Pessegueiro
Autora: Sarah Addison Allen
Editora: Planeta
Ano: 2013
Pág.: 248
ISBN: 978-85-422-0125-3

SINOPSE:
Willa Jackson tem trinta anos e uma distinção dúbia: descende de uma família rica do Sul dos Estados Unidos, mas que foi à falência gerações atrás. Ela tem conseguido tocar sua vida apesar de seu passado controverso, em uma cidade que valoriza as tradições. Entretanto, seus conflitos começam quando ela descobre que a Blue Ridge Madam - a imponente mansão construída por seu trisavô, e que por anos permaneceu como símbolo da desgraça da família Jackson - acaba de ser reformada por uma antiga companheira de colégio de Willa, Paxton Osgood, de um clã importante da cidade. Para Willa, talvez, por fim, o passado possa ser esquecido e algo novo e maravilhoso surja das cinzas. O que emerge, porém, é um misterioso esqueleto enterrado debaixo do pessegueiro que há no terreno da propriedade. Essa surpresa se transformará na chave para elucidar o passado que une as famílias Jackson e Osgood, e mostrará que há laços que nem mesmo o tempo, seja ele bom ou ruim, pode apagar. 

O Pessegueiro foi um daqueles livros que simplesmente "devorei". Não conhecia a autora, Sarah Addison Allen, e gostei muito da forma como ela escreve: uma narrativa simples, sensível e envolvente.

"Bem-vindo a Walls of Water, um lugar onde o aroma das flores envolve o ar e os pássaros parecem ter algo a dizer"

A história se desenvolve em torno de Willa e Paxton que moram na pequena Walls of Water e que aparentemente não tem mais nada em comum, além de terem sido colegas de colégio. Mas acontecimentos recentes farão com que elas se aproximem, criando laços e descobrindo o significado da amizade verdadeira, que no passado foi compartilhada por suas avós.

A família de Willa era rica e poderosa, proprietária da majestosa mansão Blue Ridge Madam. Quando a avó de Willa, Georgie, era ainda uma adolescente, sua família foi a falência e a vida da jovem mudou radicalmente. Na época, contou apenas com o apoio de sua melhor amiga Agatha Osgood, avó de Paxton. Juntas, as amigas fundaram o Clube Social Feminino com a promessa de se ajudarem mutuamente. Cumprindo a promessa, elas passaram todos estes anos guardando um incrível segredo. 

"Qual é o segredo que une as família Jackson e Osgood? Será que a verdadeira amizade consegue transpor as barreiras do tempo?

Paxton, atual presidente do Clube Social Feminino,  está organizando uma grande festa em comemoração aos 75 anos de sua fundação que será realizada na recém reformada Madam. Durante os trabalhos de paisagismo realizado por seu irmão Colin, um esqueleto é descoberto enterrado com alguns objetos pessoais embaixo do grande pessegueiro que existe na propriedade desde que Georgie ainda morava lá com sua família.

"-Finalmente está acontecendo - sussurrou Agatha.
Georgie, a meiga e inocente Georgie, virou-e para ela e disse:
-Pêssego.
Agatha tateou até encontrar a mão de Georgie, depois a segurou:
-Sim - disse Agatha - Ainda está lá.
Mas a questão era: por quanto tempo?

Willa, mesmo relutante no início, aproveita esta oportunidade para descobrir a verdade sobre sua família e a de Paxton, investigando juntas os segredos guardados por suas avós. 

Além de todo o mistério que envolve o pessegueiro, as amigas tem que enfrentar seus conflitos pessoais. Willa reluta em se envolver com Colin, o irmão de Paxton que se esforça para se manter longe de Walls of Water e da família. E Paxton tenta entender seus sentimentos pelo amigo, o controverso e charmoso Sebastian.

Histórias que deveriam ficar enterradas para sempre, surgem modificando a vida das jovens, em uma atmosfera de mistério e romance, com um toque de magia e aromas.

Com certeza, uma história encantadora sobre a amizade, os laços familiares, descobertas pessoais e a conquista de amores improváveis.

E para completar, uma edição caprichada da Editora Planeta, com uma capa delicada e marcante, além do início de cada capítulo com um efeito visual sensacional criado pela disposição do texto.

Li, adorei e indico!

2 comentários:

  1. O Pessegueiro foi minha melhor leitura do mês de Junho! Eu, simplesmente o devorei. Fiquei encantada com a história e com a ótima escrita da autora :)
    Adorei sua resenha e parabéns pelo blog!!!
    Beijos

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir